Mudanças Climáticas

Mudar seus hábitos em relação aos alimentos pode diminuir o impacto no clima

Saiba como a população, o governo e os agricultores podem contribuir para frear as Mudanças Climáticas ao produzir e consumir alimentos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Todos nós podemos nos envolver nessa questão e dar a nossa contribuição para que haja o suficiente, para todos e para sempre. A primeira atitude que deve ser evitada nas residências, comércio e indústria é o desperdício de alimentos. Afinal, a agropecuária é um dos maiores emissores de gases de efeito estufa e o processo de decomposição dos alimentos também libera gases de efeito estufa na atmosfera. Segundo estimativa do Instituto Akatu, com base em dados do IBGE e Abrelp, 41 mil toneladas de alimentos são desperdiçados no Brasil por dia, o que alimentaria 25 milhões de pessoas (também por dia), 13% da população do Brasil, quase comparável à soma da população das Regiões Metropolitanas de São Paulo (20 milhões) e do Rio de Janeiro (12 milhões).

Esse desperdício todo está associado a hábitos que podemos modificar no nosso cotidiano. Um estudo recente realizado em parceria pela Fundação Getúlio Vargas e a Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, mostra que as famílias brasileiras preferem a abundância de comida e também têm aversão ao consumo das sobras das refeições. Isso gera desperdício e atrapalha as tentativas de economizar nos gastos com alimentação. O hábito de comprar mais que o necessário e a conservação inapropriada dos alimentos também são causas de desperdício de comida. Por isso, é importante deixar de lado o discurso: “melhor sobrar do que faltar”.

O Instituto Akatu propõe três soluções que resumem o que podemos aprender para diminuir o desperdício de comida em casa:

  • cuidado com a quantidade ao comprar alimentos que estragam antes de serem usados;
  • aproveitar ao máximo todas as partes  dos alimentos;
  • e reaproveitar as sobras de comida em novos pratos.

No preparo das receitas, podemos aprender a aproveitar folhas, talos e cascas de alimentos. Há receitas de bolos, pães e outros pratos que podem ser enriquecidos com partes dos alimentos que são desprezados pela população. Que tal preparar um doce com a casca de laranja? Ou um bolinho com talos de brócolis e beterraba? Além de economizar dinheiro e evitar o desperdício de recursos naturais, você evita emissões de gases de efeito estufa desnecessárias e aproveita ao máximo o valor nutricional dos alimentos que comprou.

Outra atitude que pode fazer a diferença é dar preferência à compra de produtos locais, de preferência diretamente dos produtores, em feiras e pequenos mercados, como recomenda a FAO. Cultivar algumas plantas em hortas domésticas ou comunitárias também é uma opção. E qual é a vantagem disso? Ao diminuir o trajeto do produto até o consumidor final reduz-se o desperdício na logística, o que é importante visto que é na etapa do manuseio e do transporte dos alimentos que acontecem a maior parte das perdas (50%) no Brasil.

Consumir frutas e vegetais “da estação” também ajuda a evitar problemas climáticos. Isso porque a produção aproveita melhor os recursos naturais, como água e solo. Isso evita empobrecer o solo, por exemplo, afastando problemas como a desertificação – a transformação de uma área em um deserto, com pouca ou nenhuma vida, o que influi no ciclo da água e, consequentemente, no clima.

Alguns alimentos, como a carne bovina, tem uma grande “pegada de carbono”, que se refere à quantidade de gases de efeito estufa emitida durante as etapas de produção. Por isso, reduzir a quantidade de carne bovina no cardápio é uma contribuição importante para diminuir as emissões que causam o aquecimento global. Além de emissão de gases durante o processo de desmatamento para abertura de pastos, o próprio boi emite, em seu processo de digestão, o gás metano, que causa o efeito estufa em uma proporção 21 vezes maior do que o gás carbônico, contribuindo fortemente para o aumento da temperatura média do planeta. Isso não quer dizer que é preciso dispensar aquele churrasco que você gosta tanto: basta substituir a carne bovina por outros tipos de carne ou reduzir a quantidade de consumo e você já dará a sua contribuição.

Mais dicas de como evitar o desperdício de alimentos:

 

  • Planeje o cardápio da semana e vá à feira, hortifruti ou mercado com a lista pronta.
  • Pense antes de comprar e compre somente o necessário, buscando sempre se limitar aos itens que compõe a lista de compras.
  • Lembre-se que os talos, cascas e folhas também podem ser consumidos e são muito boas fontes de nutrientes;
  • Conheça a origem do produto que você consome e divulgue a seus amigos e familiares os produtos que você identificar como sendo produzidos de forma mais sustentável;
  • Prepare somente a quantidade para consumo imediato e, se sobrar, coloque na geladeira e consuma mais tarde. Se não for consumir as sobras a curto prazo, congele os alimentos para que não se deteriorem.  
  • Outra opção é criar novas receitas para aproveitar tudo o que tiver preparado, antes que tenha que ir para o lixo;
  • Fique atento ao prazo de validade dos produtos e armazene os alimentos de forma a retirar primeiro os que vão vencer antes.
     

O papel do governo e dos agricultores


Os governos também têm um papel importante para frear as mudanças do clima e também para planejar a segurança alimentar. Na COP21, a conferência de clima das Nações Unidas realizada em dezembro de 2015, as nações se comprometeram a reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa como contribuição a buscar manter o aquecimento do planeta abaixo dos 2 graus Celsius acima do registrado no período pré-industrial. No planejamento de segurança alimentar, é necessário investir em produção sustentável, tecnologias que aumentem a produtividade com menos impacto ambiental e também em políticas de preservação e reflorestamento, importantes para a qualidade do solo e disponibilidade de água.

A agricultura sustentável, com preservação da vegetação e uso correto do solo, é importante para preservar recursos hídricos, melhorar a produtividade e reduzir as emissões dos gases que causam o efeito estufa. A Embrapa recomenda, por exemplo, a rotatividade na produção entre leguminosas, que garantem a fixação natural de nitrogênio e enriquecem o solo para as próximas culturas, reduzindo a necessidade de uso de fertilizantes e, consequentemente, preservando o solo e mananciais. Assim, não é preciso expandir a área de produção, evitando o desmatamento (que é outra causa das emissões de gases).

Outra recomendação é o cultivo simultâneo de leguminosas e outras espécies no mesmo espaço, tornando o uso do solo mais eficiente.
Também a preservação de vegetação nativa em áreas de produção, previstos no Código Florestal, é essencial para conservar a água e a qualidade do solo.

Leia mais:

Campanha #ClimaMuitoLoko conecta cotidiano das pessoas às Mudanças Climáticas

Capítulo 1 do #ClimaMuitoLoko: para termos água em nossas torneiras, precisamos ajudar a combater as Mudanças Climáticas

Capítulo 2 do #ClimaMuitoLoko: Evite o desperdício de alimentos e ajude a desascelerar as Mudanças Climáticas

 

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar
Fechar

Esqueci minha senha

Digite seu e-mail e clique em "Procurar" para recuperar sua senha.
Sua senha foi enviada para o e-mail informado.
Não encontramos seu e-mail em nossos registros. Se você não tem uma conta Akatu, cadastre-se aqui.
Ocoreu um erro inesperado. Por favor, tente mais tarde.
enviando...