26.08.22 às 12:00

Nestlé: Reciclagem é a única fonte de renda para 82% dos profissionais de Cooperativas

Para 60% dos respondentes, fazer parte de uma cooperativa de reciclagem teve impacto positivo na renda familiar
compartilhe
FacebookTwitterLinkedInWhatsAppEmailCopy Link

Entender o dia a dia dos catadores e cooperados para desenvolver ações que contribuam positivamente para todo o ecossistema – com esse objetivo em mente, o C.Lab, laboratório de pesquisas da Nestlé, conduziu – ao longo do mês de maio deste ano – uma grande pesquisa intitulada “Reciclagem – Impacto Social e Potenciais de Transformação”. O levantamento, dividido em duas fases (1º com cooperativas e 2ª fase com autônomos), contou, nessa primeira análise, com 760 respondentes espalhados por todo o Brasil. Os dados colocam luz à realidade e desafios enfrentados por esses profissionais que, diariamente, contribuem para a circularidade da economia e têm, na atividade (para 82% dos respondentes), sua única fonte de renda e cujas principais preocupações cotidianas são saúde e alimentação (para 84% e 68%, respectivamente).

A pesquisa contribuiu, também, para apurar outros dados, conforme abaixo:

– Dentre os respondentes, 61% são mulheres, 51% têm entre 25 e 44 anos, 45% se autodenominam pardos, 26% pretos e 24% brancos, 2% amarelos, 1% indígena (2% não responderam), apenas 3% têm ensino superior completo; 

– 95% afirmam ter luz elétrica em casa. Outros 69% dizem contar com rede de esgoto e 66% residem em rua asfaltada. 70% têm acesso à Internet;

– 84% têm filhos, 53% têm casa própria e 47% têm renda familiar de 1 a 3 salários mínimos (até R$3.636);

– Almoço é a principal refeição para 95% dos respondentes e apenas 22% recebem alguma doação de alimentos. 30% já deixaram de fazer alguma refeição porque não tinham dinheiro para comprar comida e para 50% os alimentos acabaram antes que tivessem dinheiro para comprar mais comida. 27% das pessoas que participaram disseram que fizeram apenas uma refeição em um dia ou já ficaram o dia inteiro sem comer porque não tinham dinheiro para comprar comida.

“O C.Lab é uma ferramenta poderosa para aproximar a Nestlé de seus consumidores e clientes. E, por que não a utilizar para nos conectarmos também com estes parceiros tão importantes na cadeia de reciclagem e que nos auxiliam na nossa trajetória de sustentabilidade? Este é um estudo que nos traz muita satisfação e nos permite dar voz a estes agentes para aprofundar o entendimento de suas reais necessidades e melhor direcionar nossas ações”, afirma Priscilla Caselatto, gerente de Consumer Insights da Nestlé Brasil.

A Reciclagem e o Impacto na Vida dos Profissionais

Para além dos dados demográficos, a pesquisa também buscou entender qual o impacto que a reciclagem já tem na vida desses profissionais. O levantamento apurou que para 82% dos entrevistados, a coleta de materiais recicláveis é a única fonte de renda – mais da metade dessas pessoas (50%) trabalham cinco vezes na semana e 63% trabalham entre seis e oito horas por dia.

Quando questionados sobre profissionalização, 59% responderam que já receberam algum tipo de capacitação e 81% demonstraram interesse em receber treinamentos; a grande maioria (96%) usa EPIs. 

“Desde que você faz parte de uma cooperativa ou programa, sentiu alguma mudança positiva na sua qualidade de vida?” – a essa pergunta, os entrevistados responderam:

– aumento de renda = 60% 

– passaram a se sentir mais valorizados = 43%

– tiveram mais treinamento e aprendizados = 32%

– notaram melhora na segurança do trabalho = 30%

– melhoraram a saúde = 19%

– não notaram nenhuma mudança = apenas 6% dos entrevistados

“Entender a realidade dos profissionais que realizam a coleta de materiais recicláveis nos impulsiona a pensar em ações para contribuir positivamente com todo o ecossistema. Sabemos que, coletivamente, podemos ir muito mais além. Dados como esses de mudança positiva de renda e de autoestima – tão relevantes quando estamos falando de mobilidade social – nos estimulam a seguir buscando informações e caminhos para impactarmos de forma sustentável tudo o que está ao nosso redor”, afirma Barbara Sapunar, diretora de Sustentabilidade, Comunicação e Branding da Nestlé Brasil.

A segunda fase da pesquisa, que contará também com dados do universo de catadores autônomos, será realizada ainda em junho deste ano. E, para saber mais sobre os compromissos da Nestlé com toda a cadeia produtiva, acesse: https://www.nestle.com.br/regeneracao.

Sobre a Nestlé  

A Nestlé tem mais de 100 anos de atuação no Brasil e segue renovando seu compromisso com a sociedade, como força mobilizadora que contribui para levar nutrição e bem-estar para bilhões de pessoas, criar um ambiente de inclusão e oportunidade para milhares de brasileiros e ser o produtor de alimentos mais sustentável do país. A empresa emprega mais de 30 mil pessoas no Brasil e tem 20 unidades industriais localizadas nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Goiás, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Espírito Santo, além de três centros de distribuição e mais de 50 brokers (responsáveis por vendas, promoções, merchandising, armazenamento e distribuição). Comprometida com boas práticas que vão do campo à mesa do consumidor, a companhia conta com milhares de produtores fornecedores participando de programas de qualidade nas cadeias de cacau, café, leite e vegetais, que garantem uma produção sustentável e que traz modernidade ao campo, inclusive na cadeia orgânica. Além disso, mantém iniciativas nas fábricas como minimizar a utilização de água e energia e reduzir as emissões, ações de reflorestamento e inovações contínuas em embalagens cada vez mais sustentáveis. A Nestlé Brasil está presente em 99% dos lares brasileiros, segundo pesquisa realizada pela Kantar Worldpanel.

Veja também