loader image
01.12.10 às 9:08

Pesquisa Akatu-UNEP avalia percepção do jovem brasileiro sobre sustentabilidade

Jovens precisam de mais informações sobre o que fazer para adotar hábitos de vida mais sustentáveis
compartilhe
FacebookTwitterLinkedInWhatsAppEmailCopy Link

Os jovens brasileiros estão dispostos a receber mais informações sobre sustentabilidade e propensos a adotar hábitos de vida mais sustentáveis. Mas, apesar do avanço nos últimos anos na conscientização e na adoção de atitudes para a preservação ambiental, ainda há muito espaço para divulgação, conscientização e ação dos jovens. “Quando mostramos ao jovem o que ele pode fazer no seu cotidiano, apontando os benefícios econômicos e os impactos na preservação ambiental daquelas ações, a probabilidade de ele mudar de comportamento é alta”, afirma Helio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu.

Essas são algumas das principais conclusões da pesquisa Estilos Sustentáveis de Vida – Resultados de uma pesquisa com jovens brasileiros. Aplicada no Brasil pelo Instituto Akatu em parceria com o Ipsos Public Affairs, a pesquisa mapeia a maneira como os jovens percebem, imaginam e compartilham as práticas sustentáveis, além de buscar identificar como incorporar práticas sustentáveis ao estilo de vida deste público.

A pesquisa faz parte do mapeamento mundial Global Survey on Sustainable Lifestyles, coordenado pelo PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) por meio de seu escritório central em Paris (UNEP — United Nations Environment Programme).O material está sendo desenvolvido no contexto do Processo de Marrakesh, que engloba um esforço intergovernamental global, coordenado pelo PNUMA/UNEP para articular iniciativas locais e regionais de promoção da produção e do consumo sustentáveis.

Em cada um dos países em que o estudo foi desenvolvido, a UNEP escolheu uma entidade parceira, que foi responsável pela aplicação local dos questionários definidos de forma única para a pesquisa global. No Brasil, o Instituto Akatu foi convidado para liderar o estudo, cujo campo foi realizado em abril de 2009. Ao todo, foram entrevistados 1000 jovens de 18 a 35 anos nas nove principais regiões metropolitanas do país e no Distrito Federal.

Combater a violência e erradicar a pobreza são prioridades

Temas políticos, sociais, econômicos, culturais e ambientais foram apresentados aos jovens, que deveriam indicar os mais importantes em sua opinião. Os resultados revelaram que os jovens dão prioridade a “combater o crime, combater conflitos” (32%), “reduzir e erradicar a pobreza, reduzir a diferença entre ricos e pobres” (27%), “melhorar condições econômicas” (18%) e “combater a degradação ambiental e a poluição” (11%).

Se contextualizados apenas os desafios sociais, os mais citados pelos jovens foram “reduzir a poluição (ar, água, solo)” (72%); “melhorar a saúde da população” (72%); “reduzir o desemprego” (70%), “diminuir a diferença entre ricos e pobres” (61%), “reduzir o trabalho infantil” (61%) e “as mudanças climáticas” (61%). Este último item apresentou significativo aumento se comparado ao índice aferido em pesquisa semelhante — Os jovens e o consumo sustentável — realizada pelo Instituto Akatu e pela UNESCO-UNEP em 2001. Naquele ano, apenas 24% dos jovens disseram preocupar-se com as mudanças climáticas. A preocupação com a redução da poluição no ar, na água e no solo cresceu de 60% em 2001 para 72% este ano.

Em um recorte específico sobre as alterações climáticas, perguntou-se aos jovens se, de posse de mais informações sobre o tema, eles adotariam novos hábitos em suas vidas. O cenário aferido foi positivo, com 40% dos entrevistados afirmando que gostariam de ter mais informações e que acreditam que isto contribuiria para que adotassem práticas sustentáveis. Na opinião de 78% dos jovens, as pessoas em geral mudariam de comportamento se estivessem mais informadas sobre os danos ambientais causados pelas mudanças climáticas. Os jovens também concordaram com as afirmações de que “as pessoas deveriam ser mais conscientes sobre o meio ambiente” (45%) e “as pessoas deveriam espalhar informações sobre este tema” (35%).

Cenários mais sustentáveis em Casa, Alimentação e Transporte

O estudo propôs aos entrevistados a análise de contextos cotidianos relativos aos temas “Casa”, “Alimentação” e “Transporte” para, em um primeiro momento, aferir o perfil de comportamento dos jovens quanto a estes temas e, em seguida, propor questões relacionadas à sustentabilidade para detectar o nível de compreensão dos jovens sobre as questões e de aceitação às soluções propostas.

Para cada quesito da vida cotidiana, foram sugeridos três diferentes cenários:

  • Casa — cenário 1: compostagem urbana; cenário 2: lavanderias coletivas
  • Alimentação — cenário 1: jardins urbanos; cenário 2: embalagens de legumes e verduras
  • Transporte — cenário 1: rede de bicicletas; cenário 2: compartilhar o carro

No quesito “Casa”, o cenário de “compostagem urbana” como solução ao desperdício de lixo orgânico, passível de ser implementada em áreas residenciais, foi aceito por 78% dos entrevistados. Já o cenário “lavanderias coletivas”, como solução ao desperdício de energia pelo uso individual de máquinas de lavar, obteve adesão de apenas 22% dos jovens.

Em “Alimentação”, o cenário “jardins urbanos” como proposta alternativa ao cultivo de alimentos em grandes áreas de produção, longe do consumidor final, recebeu a adesão de 52% dos entrevistados, enquanto “embalagens de legumes e verduras”, proposta para que supermercados comprem de produtores locais de maneira mais fácil e conveniente, teve a aceitação de 48% dos jovens.

Por fim, em “Transporte”, 53% dos entrevistados manifestaram adesão ao cenário “rede de bicicletas” como alternativa para o uso de bicicletas na cidade e 47% aceitariam o cenário “compartilhar o carro” para reduzir a poluição gerada pelos veículos automotores.

A partir da análise de dados, percebeu-se que a maioria dos jovens brasileiros ainda não tem incorporado em suas práticas cotidianas ações sustentáveis, embora grande parte deles tenha mostrado uma elevada abertura para praticá-las.

Para Paulo Cidade, diretor da Ipsos Public Affairs, há uma “janela de receptividade” entre os jovens para os temas da sustentabilidade colocados em discussão por esses cenários. “Quando as pessoas eram apresentadas aos cenários mais sustentáveis, procuravam refletir sobre ele”, avalia. Para que os jovens transformem a intenção de mudar em um novo comportamento na prática, ele recomenda que se mostre às pessoas o que elas podem fazer no seu cotidiano: “precisamos falar aos jovens como agir”.

Paulo Cidade destaca ainda um dado importante da pesquisa: 20% dos entrevistados trabalham em empresas com mais de 100 funcionários. Nessas empresas, a porcentagem de funcionários que já ouviu falar em sustentabilidade, responsabilidade social empresarial e mudanças climáticas é maior do que em empresas com menos de 100 funcionários. Isso indica, segundo o diretor da Ipsos, um importante papel pedagógico das grandes empresas em relação a esses temas: “esses funcionários podem ser indutores desses temas nas suas famílias e nas suas comunidades”.

Se você quiser seguir o Akatu no Twitter, clique aqui

Veja também