loader image
24.12.10 às 3:57

Fábrica no RS lança projeto de reutilização da água

AGCO do Brasil, fabricante de tratores, deve economizar 70% da água usada para fins industriais; meta é chegar a 100% de reaproveitamento
compartilhe
FacebookTwitterLinkedInWhatsAppEmailCopy Link

Comentário Akatu: Reduzir o consumo de água e buscar reutilizar o que já é consumido é uma atitude consciente. As empresas que ainda não seguem esta conduta devem implantá-la o quanto antes, pois, além dos ganhos financeiros provenientes da economia de água, há também uma melhora em sua imagem passada para o público, reflexo de sua responsabilidade social e ambiental. O consumidor, ao apoiar empresas que tomam este tipo de iniciativa, contribui para baratear e melhorar todo o sistema de distribuição e tratamento de água do país.

A fabricante de tratores AGCO do Brasil lançou, no último dia 25 de maio, o Projeto Gestão Sustentável dos Recursos Hídricos: Reuso de Água. O projeto busca a utilização mínima de água nos processos produtivos e a máxima proteção ambiental com menor custo.  O lançamento aconteceu na sua fábrica de Canoas (RS), onde o projeto foi implantado.

“É um sistema que visa o tratamento da água, em uma etapa final, por meios mais naturais possíveis, usando uma tecnologia limpa, evitando desperdícios e economizando recursos”,  disse Massey Ferguson Normélio Ravanello, vice-presidente superintendente da empresa.
Segundo a engenheira Ana Cristina Curia, do Departamento de Meio Ambiente, Segurança e Saúde Ocupacional da AGCO, o sistema, bastante simples, também está sendo implantado na fábrica de colheitadeiras da AGCO em Santa Rosa (RS) e deve ser inaugurado lá em 2006.

Além do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) e técnicas de Produção mais Limpa já implantados na empresa, a empresa criou a Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) como tratamento terciário, para controle de fim-de-tubo.  Entre as várias técnicas de tratamento de efluentes para reuso, foi implantado um sistema natural de tratamento de efluentes sem uso de produtos químicos, o Sistema de Plantas Aquáticas Emergentes (PAE), conhecido internacionalmente como Constructed Wetlands.

Além do reuso do efluente tratado, o sistema PAE possibilita a redução da toxicidade do efluente. O PAE foi realizado com o uso de plantas aquáticas das espécies junco e taboa.

Com o tratamento, o efluente final tratado é reutilizado para descarga em todos os sanitários da empresa, lavagens industriais, posto de lavagem de tratores, rede de hidrantes, irrigação paisagística e preparação de emulsões oleosas.  A medida vai proporcionar economia de 70% da água atualmente utilizada para fins industriais, reduzindo o consumo de água nobre proveniente de águas subterrâneas e de abastecimento público. A meta é chegar a 100% de reaproveitamento.  A grande vantagem da utilização da água de reuso é a de preservar água potável exclusivamente para atendimento de necessidades que exigem a sua potabilidade, como o abastecimento humano.

Na Estação de Tratamento de Efluentes da AGCO do Brasil são tratados os efluentes da empresa e da International Indústria Automotiva da América do Sul Ltda.  A ETE está sendo gradativamente aprimorada para absorver efluentes provenientes de futuras ampliações.  Antes de a rede total ser implantada, os efluentes eram tratados e destinados ao arroio Berto Círio. Com o avanço das técnicas para o uso racional dos recursos hídricos, optou-se pela adoção de um processo que possibilitasse o reuso do efluente tratado, com a redução de custos associados ao uso de produtos químicos, energia, geração de lodo, entre outros.

Se você quiser seguir o Akatu no twitter, clique aqui

Veja também