loader image
08.02.21 às 13:41

Instituto Akatu estima o descarte de mais de 12,7 bilhões de máscaras de pano após um ano de pandemia

compartilhe
FacebookTwitterLinkedInWhatsAppEmailCopy Link

“Use máscara”. Desde o início da pandemia essa frase já não sai mais cabeça das pessoas, assim como o item se tornou essencial na vida de todos. Após quase um ano de pandemia, o Brasil pode chegar ao descarte de mais de 12,7 bilhões de máscaras de tecido, levando em conta que cada uma delas pode ser lavada até 30 vezes e que um brasileiro possui, em média, cinco delas. Dessa forma, se não tomarmos os devidos cuidados com a utilização desse objeto indispensável no dia a dia, o meio ambiente pode ser afetado de maneira negativa.

Só para termos uma ideia, o peso total de 12,7 bilhões de máscaras equivale a 4,7 mil elefantes africanos – o maior animal terrestre do planeta – ou a 7,9 mil ônibus urbanos. Em volume, essa quantidade de resíduos seria suficiente para preencher mais de 9 mil apartamentos de 50m² ou para encher 457 piscinas olímpicas.

“Ser um consumidor consciente não se limita a usar a máscara da forma correta para protegermos uns aos outros, mas inclui prestar atenção no que acontece com esses itens após o uso, evitando não só a contaminação de quem possa vir a ter contato com os resíduos, como também a contaminação do meio ambiente”, destaca Larissa Kuroki, coordenadora de conteúdos do Instituto Akatu, principal ONG do país dedicada à sensibilização e à mobilização para o consumo consciente.

Em cima disso, o Instituto dá algumas dicas de como utilizar esse objeto da melhor maneira. E essa preocupação começa na escolha do melhor material, passando pela limpeza, conservação, até chegar no descarte. Então, a partir de agora: “Use máscara. E saiba quais são as melhores formas de conservá-las e descartá-las”.

Qual máscara comprar?

·     A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o uso de máscaras médicas ou cirúrgicas, como os modelos NP95 e PFF2, para profissionais de saúde, pessoas com sintomas sugestivos de covid-19 e aqueles que cuidam de casos suspeitos ou confirmados. A máscara cirúrgica profissional também é recomendada para indivíduos com mais de 60 anos ou de qualquer idade que tenham comorbidades, como doença cardiovascular ou diabetes, doença pulmonar crônica, câncer, doença cerebrovascular e imunossupressão.

·     Se você não faz parte dos grupos citados, prefira o uso de máscaras de tecido para evitar o desabastecimento em hospitais e postos de saúde. Elas levam vantagem em relação às descartáveis sintéticas, de uso único, justamente por minimizar a geração e o acúmulo de resíduos no planeta. A recomendação da OMS é que as máscaras de pano tenham três camadas de tecido: a camada exterior deve ser de material resistente à água (polipropileno e/ou poliéster); a do meio, de material sintético ou algodão, para agir como filtro; e a interior, de material que absorva a água, como o algodão.

·     Recentemente, França e Alemanha proibiram o uso de máscaras de pano e passaram a exigir o uso das profissionais por toda a população, como forma de prevenção contra as novas variantes do coronavírus. Vale lembrar, que a OMS e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) mantêm a recomendação de máscaras de tecido para todos, exceto profissionais da saúde e grupos de risco.

Como higienizar e cuidar da minha máscara?

·     Máscaras de pano são reutilizáveis e devem ser higienizadas antes de cada nova utilização. A OMS indica que esse tipo pode ser lavado até 30 vezes antes do descarte apropriado. Lave com sabão ou detergente, de preferência com água quente. Outras opções são lavar com sabão ou detergente e água em temperatura ambiente, e depois colocar em água fervida por 1 minuto. Ou ainda deixá-las de molho em uma solução com 10% de água sanitária por no máximo 30 minutos e enxaguar bem antes de secar.

·     Lembre-se sempre de manejar sua máscara com as mãos limpas e removê-las do rosto pelas tiras laterais. Evite tocá-la durante o uso.

·     Se você pertence ao grupo que deve usar máscaras cirúrgicas do tipo N95, saiba que elas são descartáveis. A OMS recomenda que as desse tipo e as hospitalares sejam trocadas a cada 2 e 8 horas de uso, respectivamente.

Como descartá-la corretamente?

·     De pano, descartável ou hospitalar, o destino de todas as máscaras é o mesmo: o lixo comum. Mas antes de descartá-las, tome alguns cuidados.

·     Para evitar a contaminação de pessoas que manejam nossos resíduos, coloque as máscaras usadas em uma sacola e identifique que se trata de itens usados. Descarte na lixeira de resíduos orgânicos.

·     Evite jogar máscaras em lixeiras na rua para impedir que catadores de resíduos sólidos tenham contato com materiais contaminados. Pela mesma razão, não descarte máscaras junto com materiais destinados à reciclagem.

·     Se você está na rua, descarte sua máscara no lixo de um banheiro ou deixe para jogar na lixeira comum ao chegar em casa.

·     Nunca a descarte na rua para evitar que ela acabe em rios e oceanos ou entupa bueiros. A Sociedade Americana de Química estima que 129 bilhões de máscaras e 65 bilhões de luvas são descartados por mês no mundo.

Sobre o Instituto Akatu

Criado em 15 de março de 2001 (Dia Mundial do Consumidor), o Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o consumo consciente. Tem como proposta e objetivos contribuir para a mudança de comportamento do consumidor a partir de duas frentes de atuação: Educação e Comunicação, com o desenvolvimento de campanhas, conteúdos e metodologias, pesquisas e eventos. O Akatu também atua junto a empresas que buscam caminhos para a nova economia, ajudando a identificar oportunidades que levem a novos modelos de produção e consumo, que respeitem o ambiente e o bem-estar, sem deixar de lado a prosperidade: www.akatu.org.br.

Veja também
Quer ouvir essa página? É só dar o play abaixo!