13.07.22 às 8:00

Dia da Sobrecarga da Terra: essa conta não fecha!

Em 2022, a data que marca o uso dos recursos naturais renováveis disponíveis em um ano cai em 28 de julho. Ela indica que usamos 1,7 planeta por ano, mas só temos um

A cada ano que passa, utilizamos mais e mais recursos naturais, como água, solo e ar puro, e despejamos resíduos no meio ambiente, prolongando o uso de meios de produção e a adoção de estilos de vida insustentáveis. Neste ano, o Dia da Sobrecarga da Terra, data que marca o momento em que a humanidade consumiu todos os recursos biológicos que o planeta é capaz de regenerar durante um ano, será em 28 de julho. Isso significa que até 31 de dezembro “consumiremos” 1,7 planeta, mas só temos um. Não é preciso ser das ciências exatas para entender que essa conta não fecha, né?

Em 2022, o Dia da Sobrecarga adiantou um dia em relação ao ano anterior (29 de julho). O lado “copo cheio” é que essa antecipação foi relativamente lenta, ao contrário de outras ocasiões em que o consumo de recursos naturais acelerou-se em até 10 dias de um ano para outro — o adiantamento em ‘apenas’ um dia está ligado a um crescimento mais lento da economia mundial, ainda afetado pela pandemia, e a um crescimento de 0,4% da biocapacidade do planeta.

Já o lado “copo vazio” é que aprendemos pouco com a pandemia, quando a data regrediu 3 semanas — de 29 de julho em 2019 para 22 de agosto em 2020 — mostrando que uma redução (ainda que forçada) no consumo e na produção industrial pode ser positiva do ponto de vista de uso de recursos naturais (e necessária) para todos.

“Ainda que a antecipação em ‘apenas’ um dia possa ser vista de forma positiva, precisamos entender que há muito a ser feito. É urgente a necessidade de novos modelos de produção e de consumo para reduzirmos as emissões de gases de efeito estufa e a demanda por recursos naturais para conseguirmos ‘jogar’ o Dia da Sobrecarga da Terra para mais adiante”, afirma Helio Mattar, diretor-presidente do Akatu.

Para deixar a data mais palpável, é como se a humanidade estourasse o limite do “cartão de crédito ambiental” todos os anos, postergando o pagamento da fatura para as próximas gerações. E isso é insustentável. Se uma pessoa gasta seu salário do mês em 17 dias, a conta não fecha. Se essa mesma pessoa faz compras para uma semana, mas consome tudo em 4 dias, a conta também não fecha. E se a bateria de um celular deveria durar um dia inteiro, mas dura só 13 horas, algo está errado. O mesmo acontece com o planeta: gastamos os recursos naturais de um ano em sete meses e já estamos pagando o preço, na forma de crise climática, hídrica e elétrica.

Entendendo o cálculo

A vastidão da Terra pode dar a falsa impressão de que a natureza é infinita, mas até o planeta tem seus limites. E entram na conta da humanidade o uso excessivo e cada vez maior de recursos naturais, seja na queima de combustíveis fósseis ou no uso (e desperdício) de alimentos, madeira, fibras e matérias-primas minerais e vegetais. O resultado dessa insustentabilidade retorna para nós na forma de crise climática, perda de biodiversidade, erosão do solo e escassez de água doce, por exemplo, além da incapacidade de absorção de resíduos.

O cálculo do Dia da Sobrecarga da Terra é realizado pela organização internacional de pesquisa Global Footprint Network. A instituição divide a biocapacidade do planeta (a quantidade de recursos que a Terra é capaz de regenerar por ano) pela pegada ecológica da humanidade (nossa demanda de recursos naturais por ano) e multiplica o valor por 365 (número de dias em um ano), chegando a um resultado que vem piorando desde 1971, quando começou a contagem — na época, a data caiu em 25 de dezembro.

Deveríamos utilizar os recursos naturais renováveis em 365 dias, mas, em 2022, gastaremos tudo até o 209º dia do ano. A partir desta data, vamos entrar no “cheque especial” do planeta. É como se estivéssemos gastando juros preciosos que são os recursos naturais das futuras gerações. “O Dia da Sobrecarga da Terra é uma data fundamental para entendermos a importância de praticarmos a produção responsável e o consumo consciente, construindo uma sociedade onde haja o suficiente para todos para sempre, sem excessos nem desperdícios”, explica Helio Mattar.

Que tal descobrir a sua própria pegada ecológica? No site Footprint Calculator é possível calcular quantos planetas seriam necessários se a humanidade adotasse o seu estilo de vida.

Faça a sua parte

A boa notícia é que todos nós podemos agir para mover o Dia da Sobrecarga da Terra para mais pra frente. Ainda que governos e empresas tenham uma grande responsabilidade na redução do impacto ambiental e do consumo de recursos naturais, cada indivíduo também pode fazer a sua parte. Quando deixamos de comprar itens supérfluos, por exemplo, estamos evitando o uso e o desperdício de recursos naturais, além de minimizarmos as emissões de gases poluentes associados à produção, ao transporte e ao armazenamento deste produto.

Saiba como agir agora mesmo:

Proteja as
florestas tropicais

Restaurar e proteger as florestas tropicais, como a Mata Atlântica e a Floresta Amazônica, pode atrasar o Dia da Sobrecarga da Terra em 7 dias. Denuncie queimadas e desmatamento, apoie instituições que protegem o meio ambiente e têm projetos de reflorestamento e priorize empresas comprometidas com a defesa da biodiversidade e com a preservação da natureza.

Combata o desperdício de alimentos

Cortar o desperdício de alimentos pela metade em todo o mundo traria um alívio de 13 dias na conta da Sobrecarga da Terra. Dê o exemplo em casa: prepare só a quantidade necessária de alimento, faça o uso integral de frutas, legumes e vegetais, congele o que sobrou para comer no dia seguinte ou reutilize as sobras criando novas receitas.

Diminua o
consumo de carne

Uma redução de 50% no consumo global de carne, substituindo essas calorias por uma dieta vegetariana, é capaz de mudar o Dia da Sobrecarga da Terra em 17 dias. Comece reduzindo o consumo de carne aos poucos, encontrando alternativas como proteínas vegetais (soja, grão-de-bico, tofu, quinoa, lentilha e outras).

Economize e reutilize a água

As tecnologias comerciais já existentes para edifícios, processos industriais e produção de eletricidade podem atrasar o Dia da Sobrecarga da Terra em 21 dias. Verifique vazamentos, feche a torneira e evite o desperdício de água nas atividades do dia a dia, como ao lavar a louça, escovar os dentes e tomar banho. Se possível, reutilize a água da máquina de lavar para limpar o chão e a calçada.

Prefira casas inteligentes e sustentáveis

A popularização de casas inteligentes e sustentáveis, que utilizam tecnologias, processos industriais e produção de eletricidade já existentes, pode atrasar o Dia da Sobrecarga da Terra em 21 dias. Na hora de morar ou construir, por exemplo, evite o desperdício de materiais e prefira ambientes com boa iluminação natural, buscando sempre uma eficiência no consumo de água, energia e materiais. 

Priorize fontes renováveis de energia

Estima-se que a geração de 75% da eletricidade a partir de fontes de baixo carbono, acima dos 39% atuais, atrasaria o Dia de Sobrecarga da Terra em 26 dias. Se possível, utilize a geração de energia solar ou dê preferência a empresas que usem ou estimulem o uso de fontes de energia renováveis.

Para mais dicas sobre consumo consciente, consulte nosso guia Primeiros Passos

Veja também